· HOME
· CONVÊNIOS
· CEPAC em FOCO
· ATENDIMENTO
  Setor RH
  Humanização
  Fale conosco
· ACESSO EXCLUSIVO
  Ao Laboratório
· RESULTADO ON-LINE
  Paciente
  Médico
  Convênios
· INSTITUCIONAL
  Laboratório
  Equipe
  Cidades Presentes
· PROCEDIMENTOS
  Busca por Assunto
 
   
Picos, terça-feira, 21 de outubro de 2014  
Informes Técnicos
Hormonios
FERRITINA

O que é?

A ferritina, uma proteína da maior importância no armazenamento de ferro, normalmente aparece em pequenas quantidades no soro. Em adultos sadios, os níveis séricos de ferritina são diretamente relacionados à quantidade de ferro disponível armazenado no corpo e pode ser medida, com precisão por quimioluminescência.

Objetivos:

  • Rastrear a deficiência de ferro e sobrecarga de ferro.

  • Estimar o armazenamento de ferro.

  • Distinguir entre deficiência de ferro (uma condição de baixo armazenamento de ferro) e inflamação crônica (uma condição de armazenamento normal).

Preparo do paciente:

Jejum de 8 horas.

Método:

Quimioluminescência

Valores de referência:

Os valores séricos normais de ferritina variam conforme a idade. De acordo com o Mayo Medical Laboratories, os níveis séricos de ferritina variam da seguinte maneira:

Recém nascido: 25 - 200 ng/mL

1 mês: 200 - 600 ng/mL

2 a 5 meses: 50 - 200 ng/mL

6 meses a 15 anos: 10 - 140 ng/mL

Mulher: 10 - 100 ng/mL

Menopausa: 10 - 280 ng/mL

Homem: 29 - 300 ng/mL

Achados anormais:

Altos níveis séricos de ferritina são encontrados em: doença hepática aguda ou crônica, sobrecarga de ferro, leucemia, inflamação ou infecção aguda ou crônica, mal de Hodgkin ou anemias hemolíticas crônicas; nessas desordens, as reservas de ferro na medula óssea podem estar normais ou significativamente aumentadas. Os níveis séricos de ferritna são caracteristicamente normais ou ligeiramente elevados em pacientes com doença renal crônica.

Baixos níveis séricos de ferritina indicam deficiência crônica de ferro.