· HOME
· CONVÊNIOS
· CEPAC em FOCO
· ATENDIMENTO
  Setor RH
  Humanização
  Fale conosco
· ACESSO EXCLUSIVO
  Ao Laboratório
· RESULTADO ON-LINE
  Paciente
  Médico
  Convênios
· INSTITUCIONAL
  Laboratório
  Equipe
  Cidades Presentes
· PROCEDIMENTOS
  Busca por Assunto
 
   
Picos, quinta-feira, 10 de julho de 2014  
Informes Técnicos
Imunologia
ANTÍGENO CARCINOEMBRIOGÊNICO (CEA)

O que é?

O antígeno carcinoembriogênico (CEA) uma glicoproteína secretada na superfície do glicocálix das células que revestem o trato gastrointestinal, aparece durante o primeiro ou segundo trimestre de vida fetal. Normalmente, a produção de CEA é interrompida antes do nascimento, porém pode iniciar-se novamente mais tarde, no caso de uma neoplasia se desenvolver. Em razão dos níveis de CEA também se elevarem por obstrução biliar, hepatite alcoólica, fumo e outras condições, este teste não pode ser usado como uma indicação geral de câncer. Entretanto, a medição dos níveis enzimáticos de CEA por imunoensaio é útil para estadiamento e monitoração de tratamento de determinados cânceres.

Objetivos:

  • Monitorar a eficácia da terapia de câncer.

  • Assisitir em estadiamento pré-operatório de cânceres colo-retais, para avaliar a adequabilidade de ressecção cirúrgica, e para testar com relação à recorrência de cânceres colo-retais.

Preparo do paciente:

Jejum de 8 horas. Informar o uso de medicamentos.

Método:

Quimioluminescência

Valores de referência:

Negativo: Não fumante: Inferior a 3 ng/mL
Fumante: Inferior a 5 ng/mL
Elevado: 5 - 10 ng/mL
Positivo: Superior a 10 ng/mL

Achados anormais:

A elevação persistente de níveis de CEA sugere tumores residuais ou recorrentes. Se os níveis excederem o normal, antes da ressecção cirúrgica, quimioterapia ou radioterapia, seu retorno ao normal dentro de 6 semanas sugere tratamento bem sucedido.

Altos níveis de CEA são característicos em diversas condições malignas, particularmente neoplasias endodermicamente derivadas no trato gastrointestinal e nos pulmões; em determinadas condições não-malignas, tais como doença hepática benigna, cirrose hepática, pancreatite aguda alcoólica e doença intestinal inflamatória.

Concentrações elevadas de CEA podem ocorrer em carcinomas não endodermiais, tais como câncer de mama ou cânce ovariano.